Social :  

UnetLAB – EVE, LABs perfeitos? Será?

Boa noite galera.

Alguns meses atrás li uma publicação sobre o Unified Networking Lab (unetlab), uma ferramenta desenvolvida por Andrea Dainese, um cara que possui nada mais nada menos que dois CCIE’s e algumas boas certificações VMware. Essa ferramenta na época já prometia emular quase que com perfeição os seguintes fabricantes : Cisco (IOS, IOS XE, IOS XR, ASAv, vWAAS, vIOS, vIOS L2, vNAM, vWLC, ESA, WSA, NX-OS, Cisco Firepower, CSR1000V, IOL), Juniper, Dell, F5, HP, Citrix, Mikrotik, Fortinet, PfSense, Palo Alto, Aruba, Alcatel, Check Point, entre outros.

Confesso que quando li sobre a ferramenta, tratei ela com certo desdém, não me pareceu uma ferramenta muito robusta, ao ponto de desbancar o velho e bom GNS3, tão pouco ofuscar os holofotes da ferramenta oficial da Cisco, o Virl. Porém, ultimamente venho reunindo material para seguir com minha jornada ao CCIE Data Center, além do fato de estar sendo incluído em diversos projetos com balanceadores de carga e firewalls de diversas fabricantes la na “firma”, então, resolvi dar uma olhada mais de perto no Unetlab, que agora mudou de nome e se chama EVE.

Após um dia testando a ferramenta só posso dizer que fico triste em não estar usando ela antes, as vantagens sobre o GNS3 na minha opinião são gigantes, começando pela facilidade de instalação e manuseio da ferramenta, além do fato de ser muito mais leve (minha opinião).

Não vou abordar aqui a instalação do Unetlab, pois no site do projeto já consta vários “how-to”  de instalação em algumas plataformas como Vmware Workstation e ESXi (http://www.unetlab.com/2014/10/installing-unetlab-on-vmware-workstation/) , mas basicamente e resumidamente, você simplesmente baixa o .OVA da plataforma, e importa ele em uma maquina Windows com VMware Workstation instalado, ou importa diretamente em uma maquina com ESXi rodando (o que foi meu caso) , após importar você deve alterar uma única opção nas propriedades do processador da maquina virtual,  Virtualize Intel VT-x/EPT or AMD-V/RVI , como consta no tutorial no próprio site. O processo todo é muito simples e você já deve estar com tudo funcionando em questão de 5 minutos.

Imagem 2 – Não esquecer de habilitar a opção “Virtualize Intel VT-x/EPT or AMD-V/RVI”.

Outra coisa meio obvia que deve ser feita é a alteração da quantidade de memória reservada para a máquina virtual, de acordo com suas necessidades.

Com á maquina virtual pronta, é só “bootar” ela, realizar o login com o usuário root e a senha padrão (atualmente é ‘eve’) e seguir um pequeno guia de configuração, que nada mais é do que as configurações básicas como hostname e IP que será reservado ao Unetlab.

Questões respondidas é hora de inserir as imagens no diretório /opt/unetlab/addons e começar a criar os laboratórios, antes que eu esqueça, dentro desse diretório você vai encontrar 3 pastas exatamente com os tipos de imagem que o Unetlab é compatível, são elas:

Dynamips : imagens com extensão .image, são imagens usadas para rodar em emuladores dynamips, por exemplo o GNS3, são fáceis de encontrar pela Web.

IOL/IOU : imagens de extensão .bin, são imagens baseadas em unix que simulam equipamentos da mesma forma que imagens do tipo dynamips, porém consumindo menos poder de processamento.

QEMU : imagens com extensão .qcow2, a maioria das imagens encontradas para o Unetlab são em QEMU, o que nada mais é que a virtualização do SO encontrado nos equipamentos, inclusive podem ser convertidas imagens de instancias rodando por exemplo no VMware para a extensão .qcow2.

Um detalhe muito importante é que após inserir uma nova imagem, acesse o Unetlab via SSH ou console do VMware Workstation e rode o comando “/opt/unetlab/wrappers/unl_wrapper -a fixpermissions”, esse script corrige eventuais falhas de permissionamento.

Imagens inseridas, agora é só acessar o UnetLAB pelo browser e fazer a festa!!!

A quantidade de dispositivos compatíveis é muito grande, e os desenvolvedores estão trabalhando para que cada vez mais tenhamos dispositivos compatíveis, a ferramenta também é muito leve e prática, para se ter uma ideia, eu configurei o UnetLAB com 32GB de RAM, subi uma topologia cheia de equipamentos “pesados” e mesmo assim ainda sobrou uma boa quantidade de memória, sem comprometer a performance do ambiente:

Imagem 3 – Lab com diversos equipamentos ligados.

O consumo de memória e processamento da minha VM pode ser visto à seguir:

Imagem 4 – Uso de memória e processador da VM do Unetlab-EVE.

Outra coisa fantástica nessa ferramenta é a possibilidade de usar o Putty, Wireshark e VNC como acesso aos equipamentos com o simples clicar do mouse, para isso basta instalar a ferramenta ‘Windows integration pack’ , também disponível para download no site do projeto.

Imagem 5 – Consoles do SW Extreme (Putty) e Windows 7 (VNC) abertas diretamente do navegador.

É possível analisar o tráfego com o Wireshark simplesmente clicando no Node desejado com o botão direito, selecionar a interface desejada (por exemplo Eth0/0 de um router) e clicar em Analyze, o Wireshark é aberto automaticamente em uma aba com a coleta do trafego nesta interface.


Imagem 6 – Exemplo de analise feita com o Wireshark, de forma muito simples e fácil. (imagem retirada da internet pois já havia desligado o Servidor!!! hehe).
Existe também a possibilidade de conectar os equipamentos rodando no Unetlab aos outros dispositivos que estivem em sua rede física ou virtual, ou seja, os dispositivos emulados pelo Unetlab comunicando por exemplo com um Switch ou Roteador físico ligado a sua rede, tudo de forma muito simples de se configurar.

Outra featware interessante do Unetlab é a possibilidade de criar vários perfis de usuário, você pode disponibilizar a máquina para acesso externo via Internet e criar usuários para seus amigos ou ‘clientes’ montarem seus labs e testarem equipamentos, no meu caso meu server está com acesso pela internet

Enfim, as possibilidades são muitas, e acredito que a ferramenta só tende a crescer e se tornar o emulador preferido dos Net-admins, ao menos pra mim já é. Pretendo integrar alguns dispositivos com meu lab de NSX, até já subi uma imagem do ExtremeOS compatível com VXLAN, com certeza vai ficar show!!!

Antes que eu esqueça, existe uma tabela comparando o Unetlab com o GNS3, deixei ela pro final pois sinceramente, só com o que foi visto nas imagens anteriores e a promessa de termos uma ferramenta prática e fácil de manusear, já justifica uma olhada mais de perto nesse projeto.

Imagem 7 – Comparativo do Unetlab x GNS3.

 

Caso você tenha gostado deste post, e queira saber mais sobre a ferramenta, deixe me saber através dos comentários no blog, assim vou publicando posts sempre com novidades da ferramenta.

Obrigado e até a próxima.

 

Meu nome é Fernando Teixeira Silva, trabalho a 10 anos com TI, atualmente estudo tecnologias voltadas para ambientes de Data Center, como Redes, Virtualização e Storage. Criei esse blog para compartilhar experiências, problemas no ambiente de TI e novidades que garimpo pela Web.
  • Bruno Nunes

    Simplesmente fantástico ver o universo de Emuladores crescer e as pessoas incentivarem, ótimo Post, com certeza o Unetlab EVE contribuirá para nosso desenvolvimento como profissional, seja para estudos ou para homologação de um ambiente real!

    ótimo post,

    Abs !

    • Feliphe Douglas Pereira dos Sa

      Ótima matéria!

  • Alexandre Amaral

    Sensacional a matéria.

  • Waldomiro Junior

    Excelente post, é muito bacana ver um profissional compartilhando os seus conhecimentos/desafios, principalmente quando o conteúdo tem uma excelente qualidade.

  • Diego Marcelino Alves

    Excelente matéria, parabéns pelo post.

  • Withiney Melo

    Excelente post. Realizando os testes já

  • PP CarvalhoF

    Ótima indicação!

    Eu estou tentando fazer o GNS3 rodar aqui e, não estou conseguindo, é muita complicação. Agora eu descobri que preciso informar as licenças para rodar os IOSs (routers)… Já estou desistindo. Comparado com a simplicidade do PT e, para mim, está difícil criar alguns cenários um pouco além do que preciso pra tirar o CCNA…

    Vou experimentar esse EVE. Valeu!

    Carvalho.

    • Fernando Teixeira

      Carvalho, sobre a simplicidade, posso garantir que o EVE é muito mais descomplicado do que o GNS3, infinitamente mais fácil. Agora sobre informar as licenças, também existe essa mesma necessidade no EVE, no PT não existe essa necessidade pois ele não “roda” diretamente o SO, e sim uma ferramenta que “emula” os comandos originais, já no EVE e no GNS3 você está rodando o SO praticamente original. Me procure no Face ou Telegram que explico uma forma de resolver isso pra você.

  • Alex Trevisan

    boa noite, voce tem algun script para fazer a instalação direto no ubuntu ?

    • Fernando Teixeira

      Boa tarde Alex, script eu não tenho, mas o OVA que você baixa diretamente no site do projeto já vem tudo pronto e é encima do Ubuntu, acredito que seja muito mais fácil você importar tudo pronto como vem no Download da ferramenta.

      • Alex Trevisan

        Boa noite
        Entendi o que vc falou, mas eu tenho um computador com Ubuntu queria instalar sem utilizar uma Vm, mas descobri no site do evento que o sistema funciona apenas em uma versão de Ubuntu e a minha é superior

        Obrigado

        • Julio

          Boa noite Alex, utilizo Ubuntu e instalei pelo VMWare, tá tranquilo aqui.

  • Alexandre MCS

    maravilha, muitíssimo obrigado.

  • Richard Ribeiro

    Fernando, tu sabe como fazer para um equipamento do EVE acessar a internet real?

    • Fernando Teixeira

      Opa Richard, é bem simples, no canto esquerdo no menu, clique no sinal de “+”, depois “Add an object” e posteriormente em “Network”.

      Repare que ele vai criar um ícone no formato de nuvem, e você poderá escolher uma das interfaces virtuais configuradas para o EVE, essa será uma conexão com o restante do seu ambiente virtual fora do EVE e portanto, conexão à internet.

      Você poderá adicionar outras interfaces virtuais para o EVE sempre que precisar.

      • Richard Ribeiro

        Obrigado Fernando! Eu imaginei e já estava tentando usar, mas sem sucesso! Devo estar utilizando a interface errada! Valeu mesmo!

        • Fernando Teixeira

          Richard, se não me engano o número da interface muda pois no Vmware Workstation ou Vmware ESXi a contagem de interfaces começa em “0”, e no EVE em “1”, sendo assim, a zero no Workstation seria a 1 no EVE, estou sem acesso ao meu servidor essa semana para testar, mas faça um teste.

  • José Oliveira

    Obrigado pelas dicas e informações. Eu usava o GNS3. Vou testar este EVE e depois retorno aqui para dizer a minha impressão. Abs

  • Israel Dalmazo

    Boa noite alguem sabe aonde consigo as imagens dos equipamentos para baixar ou comprar???